Fala sério! Você só não ganha (mais) dinheiro se não quiser!

No conceito tradicional do mercado de trabalho, ou melhor, do emprego, você é contratado para trabalhar em uma empresa (que, como eu sempre digo, é feita de pessoas) com base na sua formação acadêmica, nos seus talentos e nas suas habilidades, de modo que o seu (possível) empregador enxergue que você é capaz de resolver os problemas DELE. Eu falo “conceito tradicional” porque eu já sugeri para que você não aja como seus pais, afinal, no tempo em que eles eram jovens, o modelo de se ter um emprego fixo, com carteira assinada, férias e a tão sonhada aposentadoria (que hoje mal paga as suas despesas médicas) era o paradigma que imperava.

Hoje, infelizmente, muitos da geração atual continuam sendo doutrinados a seguir o quase obsoleto conselho dos seus genitores, da escola tradicional e quiçá, até mesmo da faculdade: estude para ter um bom emprego! Veja, o problema não é você conseguir um emprego – isso com certeza deve ser comemorado, pois com o seu salário você faz a nossa economia rodar e quanto mais ela estiver em movimento, mais funcionários o seu patrão vai poder contratar, mais impostos o Governo vai arrecadar e mais coisas boas ele vai poder fazer pela população (bom… essa última parte eu prefiro não comentar). O problema é o contrário: é você não conseguir emprego, é você ficar sem trabalho, é você ficar sem dinheiro, é a economia parar de funcionar…entendeu? Enquanto você ficar com a mente “pregada” na ideia de que só é através um emprego que se pode ganhar dinheiro, você está fatalmente condenado ao fracasso profissional e financeiro. Aí, adivinha quem vai sofre junto com você: a sua família, que não vai dispor dos bens necessários para viver, o padeiro da esquina que vai ficar sem vender e que vai demitir o seu funcionário, que não vai poder proporcionar as coisas para a sua família dele, etc. Entendeu? Não é só você que se dá mal – quando você não tem poder de compra, você direta ou indiretamente influencia em alguma esfera da economia, que por deixar de ganhar o seu dinheiro, vai demitir, vai reduzir a sua arrecadação, vai deixar de incentivar projetos sociais, e tudo mais, como se fosse uma bola de neve.

Então vá por mim!

Você realmente estuda, se qualifica e se capacita? Procure um trabalho onde você possa aplicar e aprimorar tudo que aprende! Conseguiu um emprego? Ótimo, faça de tudo para que o seu patrão ganhe cada vez mais dinheiro (sim – esse é o seu papel como empregado: deixar o seu patrão mais rico)! Não tem emprego? Seja um parceiro dessa empresa que não quis (ou não pôde) empregá-lo, fazendo o que faria como empregado, porém sem dedicação total! Ela não aceita? Procure a concorrência! Faz sentido? Senão, procure pessoas, mostre a elas dos resultados que você é capaz de entregar, das soluções que você pode oferecer e, ainda que você não consiga resolver todos os problemas, eis aqui o pulo do gato: tenha alguém que faça o que você não pode, não sabe ou simplesmente não quer fazer. Em contra-partida, coloque um percentual para você e revenda para quem precisa daquela solução, daquele produto ou daquele serviço. Trocando em miúdos: ajude as pessoas a serem mais felizes ou mais bem sucedidas! É isso que vai fazer com que o dinheiro chegue em suas mãos, agora claro, sempre se atentando de fazer tudo dentro da legalidade!

Fala sério! Você só não ganha (mais) dinheiro se não quiser!
Faça, que acontece!

Gostou? Deixe seus comentários, dúvidas e sugestões abaixo ou cadastre-se e saiba o que eu fiz para começar a ganhar dinheiro mesmo sendo desempregado e como você pode fazer o mesmo, independente da sua área de atuação. Basta clicar aqui!

As dicas mais acessadas