Mãos suavemente secas

Dia desses fui a um shopping da cidade e como já estava nas proximidades da hora do almoço decidi que ia fazer a minha refeição por lá mesmo. De modo a garantir uma refeição sem maiores transtornos, fui ao toilet assegurar que meu corpo estaria “leve” para apreciar os minutos seguintes de puro prazer na degustação, lavei as mãos, puxei o papel-toalha para enxugar as mãos e para minha surpresa o dito cujo se dissolveu em pedaços umedecidos no ato. Por conta disso, precisei puxar umas sete folhas para poder ter a sensação de que realmente o tal produto ia dar conta de cumprir a sua missão: secar as minhas mãos, que naquela hora ansiavam para se ocuparem com os talheres do restaurante.

Foi aí que me bateu um sentimento de culpa, no compartimento que abrigava o papel-toalha estava escrito uma mensagem que dizia: “mãos suavemente secas com duas folhas” (e eu tinha puxado sete!) sendo que ainda senti a necessidade de puxar mais três para realmente secar as minhas pobres – e agora culpadas – mãos molhadas.

Passado o momento de reflexão ambiental, vi que os outros transeuntes faziam o mesmo que eu, então parei para fazer uma outra reflexão: será que o problema realmente está em nós? Será que não está na gramatura do papel? Ah, para quem não sabe, o papel pode ser mais “fino”ou mais “grosso” e para isso chamamos “gramatura”: quanto maior a gramatura, mais “grosso” é o papel e, portanto, mais difícil de “derreter”, caso o peguemos com as mãos molhadas.

É nessa hora que é interessante considerar a possibilidade de que o barato pode sair caro. Quantas vezes preferimos seguir um caminho “mais fácil” ou pagar por um serviço “mais barato” apenas pela questão do menor preço em si, desprezando a qualidade dele? Será que se o shopping investisse num papel-toalha de melhor qualidade o desperdício não seria menor? Será que isso não iria refletir em uma modesta, mas importante economia e redução de custos e, consequentemente, num humilde, mas considerável crescimento de lucro para a empresa?

Deixar de perder também pode ser uma forma de ganhar, portanto observe se o que você tem feito tem realmente trazido benefícios, ou pelo menos deixado de trazer prejuízos para a sua vida, seja ela no âmbito pessoal ou profissional. Sendo assim, empregue energia e tempo naquilo que o faz sentir vivo, pois da mesma forma que pode parecer egoísmo para alguns, outros haverão de louvar a sua atitude de lutar por aquilo que acredita. Não que você deva fazer o que faz para impressionar terceiros, mas, sobretudo, para fazer com que você sinta o prazer de se surpreender consigo mesmo. Agarre-se aos seus reais propósitos com a certeza de que vale a pena lutar por eles: se não valerem de nada, eles rapidamente tenderão a se “derreter” (ou perder a graça) rapidamente e não trarão nenhum sentimento de conquista para você, tal como o papel-toalha de má qualidade. Caso contrário, você verá que no final vale a pena sim, cada gota de suor que escorre sobre seu rosto e que às vezes até as que tentam adentrar os olhos serão dignas de lágrimas, mas com o real sentido da exclamação “eu consegui!”.

Quanto ao papel-toalha, talvez o shopping realmente esteja precisando rever alguns conceitos do que é ganhar, aliás, deixar de perder dinheiro, até porque não queremos ter as mãos “suavemente” secas, mas sim “completamente” secas.

Faça, que acontece!

Gostou? Saiba mais no e-Book “Enfim, Desempregado: como trabalhar e enriquecer sem depender de um emprego” clicando aqui!

Confira também:

As dicas mais acessadas